Sobre   Contato Usuário : Não conectado
Ultima Atualização : 26/02/2012 Data : 27 de Novembro de 2014  
Maze

Cabaça

Identificação

Nome Cabaça
Nome Yorubá IGBÁ
Nome Angola
Atualização 26/02/2012
Folha Fixa de Oro Não

Aplicações

Deidades

Umbanda : Ṣàngó, Obalúwaìye

Nagô : Ṣàngó, Obalúwaìye

Jejê : Sogbo

Bantu : Nzazi

Características e Uso Terapêutico

Descrição
Hábito Árvore
Nome Científico Lagenaria vulgaris Ser.
Sinonímia
    Família Cucurbitaceae
    Compartimento
    Categoria
    Classificação
    Nomes Comuns
    •   Cabaça Amargosa   (Brasil)
    •   Cabaça Purunga   (Brasil)
    •   Cabaço Amargoso   (Brasil)
    •   Cabeça de Romeiro   (Brasil)
    •   Cocombro   (Brasil)
    •   Cuia   (Brasil)
    •   Cuieteseira Porongo   (Brasil)
    •   Taquera   (Brasil)
    •   Bottle Gourd   (Inglês)
    •   Calabash   (Inglês)
    •   White Pumpkin   (Inglês)
    •   Àkèrègbè   (Yorubá)
    •   Ìgbá   (Yorubá)
    Propriedades
    • Amarga
    • Drástica
    • Emoliente
    • Maturativa (polpa dos Frutos)
    • Purgativa e Antinefrítica (sementes)
    Indicações
    • Apressar Partos e Curar Frieiras (folhas Aquecidas e Aplicadas Topicamente)
    • Clorose
    • Melancolia
    • Obstrução das Vísceras (clisteres)
    • Pernas Inchadas (cataplasmas)
    Parte Usada
    • Folhas
    • Fruto Verde
    • Sementes
    Contra Indicações Doses Abusivas Podem Resultar em Hemorragias Mortais, Precedidas Por Sintomas Similares Aos da Cólera Morbus.
    Observações

    Uso Litúrgico

    Nos ritos do Candomblé, sua utilização é ampla, tomando nomes diferentes de acordo com o seu uso, ou pela forma como é cortada. A cabaça inteira é denominada Àkèrègbè, e a cortada em forma de cuia toma o nome de Ìgbá. Cortada em forma de prato é o Ìgbáje, ou seja, o recipiente para a comida. Cortada acima do meio, forma uma vasilha com tampa, tomando o nome de Ìgbaṣẹ, ou cuia do àṣẹ, e é utilizada para colocar os símbolos do poder após a obrigação de sete anos de uma Ìyàwó, como a tesoura, navalha, búzios, contas, folhas, etc. que permitirão à pessoa ter o seu próprio Candomblé. Cabaças minúsculas são colocadas no ṣàṣàrà de Ọmọlu, como depósito de seus remédios. No ọ́gọ́de Èṣù, uma representação do fato masculino, as cabaças representam os testículos. Usa-se uma das partes da cabaça cortada ao meio, e colocada na cabeça das pessoas a serem iniciadas e que não podem ser raspadas por serem Àbìkú, para nela serem feitas as obrigações necessárias. Com o corte ao comprido, torna-se uma vasilha com um cabo, chamada de cuia do Ìpàdé e serve para colher o material de oferecimento ou para colher as águas do banho de folhas maceradas. Inteira e revestida de uma rede de malha será o Agbẹ, instrumento musical usado pelos Ogans, durante os toques e cânticos. Uma cabaça com o pescoço comprido em forma de chocalho é agitada com as suas sementes, fazendo assim o som do Séré, forma reduzida de Sèkèrè, instrumento por excelência de Şàngó. A cabaça inteira em tamanho grande substitui nos ritos de Àṣèṣẹ̀, a cabeça de uma pessoa que morreu e que por alguns fatores não é possível realizar as obrigações de tirar o Òsu. Por fim, pode ser lembrado que a cabaça cortada em forma de vasilha com tampa é conhecida como Ìgbádù, a cabaça da existência e contém os símbolos dos quatro principais Odù: Éjì, Ogbè, Òyekú Méjì, Ìwòri Méjì e Òdí Méjì.

    Visitas
    3571497